O que é e por que devo deixar meu filho fazer High School?

O que é e por que devo deixar meu filho fazer High School?

“O mundo é um livro e aqueles que não viajam leem apenas uma página”. Essas sábias palavras de Santo Agostinho nos fazem refletir sobre a rica experiência de viajar. E em se tratando de uma viagem a estudos para os filhos — High School, mais especificamente —, a experiência é mais rica ainda. Afinal, além de conhecer um lugar novo, o estudante terá a oportunidade de conviver e trocar experiências com outras pessoas, conhecer novos lugares, interagir em uma cultura diferente e aprender sobre costumes diferentes.

Se você reconhece a importância de uma viagem a estudos na formação cultural e intelectual de um indivíduo, mas está com uma grande dúvida sobre se deve ou não deixar o seu filho topar essa aventura de fazer uma High School, esteja certo de que o texto de hoje é perfeito para você.

Nele preparamos um checklist imperdível para que você tire todas as suas dúvidas sobre o que é o High School e, assim, tome a decisão certa!

Mas, afinal, o que é High School?

High School nada mais é que um curso equivalente ao nosso ensino médio. O período que o aluno despende estudando em outro país (que, em geral, dura entre 1 ou 2 semestres) conta como tempo de ensino médio.

Assim, o estudante não desperdiça o tempo que passou estudando no exterior e, de quebra, ainda ganha uma experiência de vida única.

Mas, é bom lembrar, que para aproveitar as disciplinas lecionadas na High School é preciso verificar com a escola como será esse aproveitamento e ainda entrar em contato com a Secretaria de Educação Estadual, ok?

Quem está apto a fazer High School e qual a faixa etária ideal?

Como a High School equivale ao ensino médio aqui do Brasil, quem está apto a se candidatar a esse tipo de curso são os estudantes que já estão cursando o ensino médio ou aqueles que iniciarão essa etapa dos estudos.

Por isso, a faixa etária ideal para se submeter a esse tipo de curso no exterior abrange jovens entre 14 e 19 anos. Existem ainda alguns programas que aceitam estudantes que acabaram de sair do 3° ano. Por isso, pesquisar tudo com antecedência é fundamental.

Quais escolas (particulares e públicas) aceitam os estudantes de fora?

Qualquer estudante, de escola particular ou pública do Brasil, pode se candidatar a uma escola estrangeira para fazer o High School, desde que obedeça as regras específicas do programa do país a que se submeter.

Para tanto, terá que se submeter aos processos seletivos específicos. É possível frequentar escolas particulares, escolhendo pelo país ou pela escola, ou ainda, pela região em que se pretende estudar.

Existem ainda programas em que o estudante pode se hospedar em casas de famílias voluntárias, que são selecionadas pela Instituição de ensino. Nesses casos, os estudantes recebem os contatos da família algumas semanas antes do embarque, de modo que possam estreitar os laços antes mesmo da chegada ao país.

Como funciona o sistema de ensino em uma High School?

O sistema de ensino de uma High School é bem parecido com o sistema tradicional do nosso bom e velho ensino médio. Os alunos têm aulas de matemática, geografia, ciências e história, só que tudo no idioma local, é claro.

Além disso, o aluno faz atividades extracurriculares, como esportes e danças, como se fosse um estudante nativo. Sem falar que essa é uma oportunidade única para que o estudante mergulhe profundamente em um idioma novo. E, em quase 100% dos casos, os alunos retornam ao Brasil falando fluentemente outro idioma.

Já pensou, seu filho craque no inglês, francês, alemão ou italiano? Um diferencial e tanto para o currículo, não acha?

Deixar ou não meu filho vivenciar esta experiência?

Aquele que ontem era um bebê frágil e delicado, hoje já é um quase um adulto, que tem seus próprios desejos, anseios e medos. É, o tempo passa mesmo muito rápido!

Às vezes é bem difícil para os pais lidar com todas essas mudanças e perceber que os seus filhos cresceram e precisam descobrir a vida sozinhos. Essa é a grande dificuldade de educar.

Nesse momento de dúvida dos pais, entre orientar bem os filhos e dar-lhes liberdade, o equilíbrio é fundamental.

É indispensável pesar os prós e os contras das decisões que poderão impactar o futuro dos seus filhos, especialmente quando a decisão envolver estudar fora do país, longe de casa, da família e amigos.

Considere questões como independência, domínio do idioma e possibilidade de novas vivências. Isole um pouco o apego que você tem pelo seu filho e considere os ganhos que uma experiência de total imersão em uma cultura diferente, como a de fazer uma High School, poderão proporcionar a eles. Isso te ajudará a tomar a decisão certa.

Agora que já conhece um pouco mais sobre o que é e como funciona o ensino em uma High School, você já pode começar a decidir se vai mesmo deixar o seu filho viver essa experiência. Antes de tomar uma decisão definitiva, pense e reflita bastante.

Considere a forma como vai lidar com a ausência do seu filho e o receio de deixá-lo “sair do ninho” tão cedo. Pense também no lado positivo que essa experiência de intercâmbio proporcionará ao seu filho, deixando que ele se vire sozinho e comece a compreender um pouco sobre a realidade da vida.

E tome uma decisão o quanto antes: quanto mais cedo o seu filho iniciar o estudo de uma língua estrangeira em uma escola de idiomas (confiável e reconhecida, é claro!), mais facilmente ele conseguirá ter domínio sobre a língua. E isso, sem sombra de dúvidas, será fundamental para que ele esteja seguro e aproveite ao máximo a oportunidade de estudar fora do país.

E aí, está mesmo decidido a autorizar o seu filho a fazer uma High School? Conhece alguém que passou por essa experiência? Compartilhe seus anseios, medos e expectativas: deixe seu comentário e ajude outras mães e pais a tomarem essa decisão tão importante para o futuro dos seus filhos. Até a próxima!

Target Idiomas

Escolas de inglês, espanhol, italiano, mandarim, alemão e francês, em Joinville. Cursos de idiomas empresas. Aulas de Inglês e intensivo. Certificação TOEIC e intercâmbio.